Explicando o Tropicalismo: parte III

Contradições Antropofágicas do Tropicalismo
Em 1967, no III festival de Musica Popular, na TV Record, Caetano Veloso e Gilberto Gil irrompem no debate cultural da época, causando polêmicas com suas músicas Alegria, alegria (quarto lugar) e Domingo no Parque (segundo lugar), respectivamente. Acompanhados pelas guitarras dos Beat Boys e dos Mutantes, acabam incorporando dados modernos e atuais dentro da  “geléia geral brasileira”, realçando a mistura de arcaísmo e modernização fundindo os elementos tradicionais da música popular brasileira com a modernidade da vida urbana e sua cultura de consumo a partir de um discurso de caráter fragmentário e descentrado como num filme de Glauber Rocha.
Inspirado no “Manifesto Pau-Brasil”, da Semana da Arte Moderna, de 1922, do poeta Oswald de Andrade, o Tropicalismo criou uma estética antropofágica contemporânea, que procurava deglutir os movimentos de vanguarda vindos de fora no “primitivismo” da cultura de uma relação de contrastes entre o moderno e o arcaico, o místico e o industrializado, o primitivo e o tecnológico. Suas alegorias e sua linguagem metafórica criavam um humor crítico (paródia) que tentava superar a polarização entre as posições estéticas defensoras da cultura engajada e da cultura de massa.
Assim é que, sem incorrer no discurso militante da esquerda, na música de protesto nem no “comercialismo” do iê – iê – iê, a Tropicália trabalhou a política e a estética num mesmo plano, mostrando as condições da nossa modernização subdesenvolvida a partir de uma outra forma de arte. Isso pode ser exemplificado pela música Tropicália (1968), de Caetano Veloso, uma espécie de símbolo e síntese das idéias do movimento:
Sobre a cabeça os aviões
Sob os meus pés os caminhões
Aponta contra os chapadões
Meu nariz
Eu organizo o movimento
Eu oriento o carnaval
Eu inauguro o monumento
No planalto central
Do país
Viva a bossa – sa – sa
Viva a palhoça – ça – ça – ça – ça
(…)
Domingo é fino da bossa
Segunda-feira está na fossa
Terça-feira vai a roça
Porém
O monumento é bem moderno
Não disse nada do meu terno
Que tudo mais vá pro inferno
Meu bem
Que tudo mais vá pro inferno
Meu bem
Viva a banda – da – da
Carmem Miranda – da – da – da – da
            Como percebemos nesse trecho, uma tensão crítica entre o moderno e o arcaico percorre toda a letra da música “bossa” e “palhoça”; “fino da bossa” (alusão do programa de tevê), a mesma é acompanhada pelo arranjo da canção, que mistura ritmos populares brasileiros com música de vanguarda promovendo uma mistura do primitivo com o moderno.
O disco – manifesto do movimento, Tropicália ou panis et circensis até hoje, tendo se tornado a síntese das propostas estéticas da linguagem tropicalista. A maioria de público não entendia o movimento, odiados pela direita, por causa das atitudes provocadoras e longe dos padrões restritos da cultura e proposta de esquerda, a Tropicália pagaria o preço de sua ousadia até seu fim. O confronto se deu em 1968, em uma noite no TUCA durante o II Festival Internacional da Canção.
A platéia formada basicamente por universitários de esquerda recebe à Caetano Veloso com vaias, a reação dos mesmos à canção É proibido proibir também foi mal recebida, após  o ocorrido Caetano Veloso interrompe sua apresentação e inicia um discurso que denuncia o conservadorismo político – cultural da esquerda. O Tropicalismo tentou responder de forma original. Entre a exigência de uma cultura politizada e a solicitação de uma cultura de consumo, optou pela tensão que poderia ser estabelecida entre esses dois pólos de concepção estética e política. Mas o Tropicalismo, dentro desse quadro de agitação e repressão político – cultural, mostraria sua importância ao deixar um caminho para a disposição anárquica e rebelde, que iria se refletir, na experiência contracultural da juventude brasileira, no início da década de 70. 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s