Divulgação de obra

recebi um email do autor desse livro pedindo para fazer uma divulgação aqui no blog de sua obra, li os comentários sobre o livro e achei interessante! fica ai a dica!

A história que ainda queima nas mãos dos historiadores
               Os Anos de Chumbo ainda fervilham nas mãos dos historiadores. Principalmente agora que a nossa presidenta é uma ex-combatente da luta armada e o SBT lança uma novela – Amor e Revolução – cujos personagens centrais são guerrilheiros.

                Para tirar todas as dúvidas deste período – que foi um dos mais conturbados da história do Brasil – está surgindo Pedro e os Lobos – Os Anos de Chumbo na trajetória de um guerrilheiro urbano.

                O livro, escrito numa linguagem jornalística por João Roberto Laque, leva em paralelo duas histórias. A primeira é a do ex-sargento da Força Pública Pedro Lobo de Oliveira e seus colegas de metralha, onde se vê a ascensão e queda dos grupos guerrilheiros que resolveram enfrentar, à bala, o regime militar instalado no Brasil em 1964.

                Junto corre a agitação da “grande política” da época – da renúncia de Jânio Quadros à posse de José Sarney – e as principais ações guerrilheiras nas cidades, além da guerrilha de Três Passo, de Caparó e do Araguaia.

                Pedro nasce nos cafundós da Serra do Mar paulista em 1931 e migra para capital aos 18 anos. Seu sonho é chegar a Mato Grosso onde espera encontrar um eldorado financeiro participando do desbravamento do Estado.

                Depois de quase virar escravo branco numa plantação de banana, trabalhar como servente de pedreiro e metalúrgico, o personagem central de Pedro e os Lobos entra para a Força Pública onde chega ao posto de sargento.

                 Exonerado da corporação em maio de 1964 – os militares que acabavam de assumir o poder suspeitavam que Pedro pertencesse ao Partido Comunista – ele vira segurança pessoal de Luís Carlos Prestes e depois funda a organização guerrilheira Vanguarda Popular Revolucionária, que viria a abrigar o lendário capitão Carlos Lamarca.

                 De armas nas mãos, Pedro Lobo se torna Getúlio ou Gegê e passa a atazanar a ditadura de coturnos com ações espetaculares. Invasão de quartéis, atentados à bomba, roubos de carros, assaltos à bancos e até o justiçamento dum oficial norte-americano estão no currículo deste destemido combatente urbano.

                 Preso ao pintar um caminhão roubado com as cores do Exército, o ex-sargento vai sofrer o diabo nas mãos dos milicos e amargará um ano e meio de cadeia. Banido do país na troca por um embaixador, Pedro vira apátrida e passa pela Argélia, faz treinamento militar em Cuba, escapa da morte no Chile e vaga pelas ruas da Argentina até encontrar asilo na extinta Alemanha Oriental, atrás do que o Ocidente costumava chamar de Cortina de Ferro.

                Com a anistia, o ex-guerrilheiro volta ao Brasil e é reintegrado como sargento à Polícia Militar (o novo nome da Força Pública paulista) fechando um surpreendente ciclo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s