A história do Brasil na poesia de José Paulo Paes

Os navegantes
Tenham sanhas, querelas, tempestades,
Os mares nunca dantes navegados.
No rude mais se amplia e mais se apura
A estirpe dos barões assinalados.

Cante o vento na rede das enxárcias.
Afane-se o marujo na partida.
Impe o velante inquieto, corte a proa
O infinito das águas repetidas.

Ande a estrela cativado astrolábio.
Mostre a bússola válido caminho.
Nas cartas se escriture todo achado
E fama nos virá em tempo asinho.

Achar a nossa lida mais constante
E lucro nosso empenho mais vezeiro:
Hemos a gula vil do mercador
Num coração febril de marinheiros.

Pene o mouro da gleba, que buscamos
Não colheitas de terra, mas navais.
No comércio marítimo fundamos
Opulência, destino, capitais.

Almejamos Cipangos misteriosas,
Fabulosas Catais, Índias lendárias.
As latitudes são-nos desafio,
Sendo as ondas do mar nossa alimária.

Diga o zarolho, pois, da grã porfia
Da lusitana grei contra o oceano,
Recorde embora o Velho do Rastelo
Da fama e da ambição e ledo engano.

Um dia, nos brasis de boa aguada, 
Havemos nosso ocaso de encontrar
E, algemado à Conquista, há de morrer
Aquele Império que nasceu do mar.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s